3 de jul de 2011

Turn the page



Esse blog agora perdeu a finalidade. Criei para ir à busca de um amor. Hoje, não mais. Pretende fazer outro, pois gostei da experiência de colocar meus pensamentos e desejos no “papel de vidro”. Mas caso crie algum, será com novos ares, novas histórias, novos personagens. Quero virar essa página na minha vida. A história linda que nela existia já acabou, hoje está mais para filme de terror. É isso.

“A vida é muito curta para vivê-la ao lado de um filho da puta.” 
Bill Bernbach

Lição


Nunca fique com alguém que não sabe ao certo “o por que” que está com você. Por maior que seja o seu amor, você nunca poderá amar por ela. Agora aprendi a lição. Mas por ter feito essa "burrice", mereço os meus minutos cheirando a parede no canto da sala.

Decepção


Sem dúvida, tive a maior decepção da minha vida. Espero que ao invés de ficar procurando culpados para o fim, ou ficar remoendo os momentos ruins, melhor é aprender com os erros e pensar nos bons momentos que ainda virão. E que serão muitos.

21 de jun de 2011

Que lembra



Barulhinho de chuva,
Que lembra frio,
Que lembra casa,
Que lembra cama,
Que lembra lençol,
Que lembra juntos,
Que lembra pele,
Que lembra toque,
Que lembra sexo,
Que lembra sono,
Que lembra conchinha,
Que lembra meu amor.

18 de jun de 2011

Planos

Tantos planos se perderam e alguns ainda estão no papel. Já realizei alguns e tenho muitos que ainda pretendo realizar. Não quero mais “brincar” de viver. Estou disposto realmente a colocar minha vida, nossas vidas num patamar maior. Quero ter mais responsabilidades comigo e para com outros, quero ter mais contas pra pagar, satisfação pra dar... Quero ser marido e pai em tempo integral, quero preparar aquele café da manhã surpresa, quero fazer feira juntinhos, planejar viagens e receber amigos... Quero dividir as tarefas domésticas e trocar as lâmpadas quando preciso. Dormir e ser acordado, discutir e depois fazer as pazes com sexo, sonhar e realizar. Quero tudo isso, mas ainda falta você.

17 de jun de 2011

Fato

 J.M.W. Turner


Encantado com a descoberta de hoje... O nome dele é J.M.W. Turner (1775-1851), britânico e sem dúvida nenhuma, o maior pintor de paisagens de todos os tempos. Fiquei perplexo ao ler e me informar mais sobre esse pintor. Como alguns gênios da pintura, ele também tinha um “fixação” e por isso nas suas obras encontramos tantas tempestades sobre os mares. Ele faz tudo isso de uma maneira tão épica, transmitindo uma energia singular em seus quadros.

Algumas de suas pinturas representam bem o momento de vida que estou passando. É de um caos, de uma paixão e de emoção extrema... Tudo isso ainda com romantismo. Vou continuar a contemplar seus quadros, mas quero que minha vida esteja mais para um quadro de Gustav Klimt.

16 de jun de 2011

Sensação

Ela estava tão linda. Engraçado como as horas passam rápido quando estou perto dela... Queria eternizar esses pequenos momentos. Espero que aconteçam mais oportunidades de ter finais de dia tão agradáveis quanto esse de hoje. Sinto-me mais leve e com um sorriso besta na cara. É como eu estivesse no começo de uma conquista... Vou parar por aqui. Não quero ser mal interpretado. São apenas devaneios.

Saudade molhada...

15 de jun de 2011

Cinzas


Sou um babaca mesmo. Raiva de mim... Só queria um pouco de atenção. Um pouco de contato. Mas nem isso ela é capaz de dar... Tantos anos e só restaram cinzas. É o fim que insisto em não ver e nem ouvir.

Pra ela


15.06.2001

12 de jun de 2011

Minutos

Talvez o amor seja mesmo como catapora. Você tem uma única vez na vida e, pronto, nunca mais acontece de novo. Aí alguém vai dizer “Ah, eu tenho um sobrinho que já teve catapora duas vezes”. Bom, então reformulando: talvez o amor seja como a catapora que seu sobrinho não teve. Ou talvez eu esteja ficando velho e aí a pessoa começa a amar menos e se preocupar mais com trabalho, saúde e iptu. Seja como for, acho que desaprendi a amar. Acho que todas as pessoas nascem com uma cota de amor e eu, que sempre fui intenso com tudo na vida, acabei gastando a minha antes do tempo. Resultado? Quando eu disser que te amo, não acredite. Quando eu te chamar pra jantar, pra viajar ou pra tomar um vinho de noite e você, por alguns minutos, pensar “poxa, acho que ele está gostando de mim”, por favor não acredite. Quando eu disser que você tem um sorriso bonito ou que eu acho lindo como seus olhos ficam apertadinhos toda vez que você acorda, blargh, é mentira. Falsidade em estado puro. Provavelmente eu nem vou chegar ao ponto de dizer isso, porque me tornei incapaz de qualquer demonstração de amor. De hoje em diante quero ser um cafejeste. Um cafajeste honesto, com toda certeza. Deixarei bem claro, já no primeiro dia, que meu único interesse será um beijo e uma noite de amor. Não quero saber seu signo, não quero conhecer seus amigos, não quero te pegar no curso de francês. De você, quero apenas 47 minutos. Afinal, depois que se conquista uma mulher que até então relutava em ceder, depois que se enfrenta sua insegurança, seu receio e toda sua resistência, o que mais se pode querer com ela? É chegado então o momento de partir para a próxima e para a próxima e para a próxima. Não vou amar mais com o coração, deixarei essa função para os rins. Não vou mais escrever cartinhas à mão, nem fazer viagens de surpresa. Não vou ter mais músicas de Chico no meu playlist. De agora em diante é só Wando e Calcinha Preta. É claro que isso só vai durar até o dia em que eu encontre alguém. Alguém que eu finalmente ame de verdade. E como o mundo costuma ser vingativo, vou passar dias sofrendo quando descobrir que tudo o que ela queria comigo, eram apenas 47 minutos.

por André Muhle (do blog "Eles sabem demais")

O amor de agora

como dizer sempre
se o sempre é agora

basta ter nas mãos a carícia
o presente nos olhos
e o amor não demora

quem gosta da eternidade é a alma
o corpo não

o corpo se farta na chama
se espalha na chuva
se move entre mãos

quero dizer sempre
que o corpo é presente
é pele e é saliva
e o amor
o amor é agora

Cida Pedrosa


Achei lindo esse poema que foi publicado no Caderno Especial do jornal neste domingo. Me fez lembrar que eu tinha isso tudo. Tinha esse "agora" e essa urgência... Mas agora não tenho nada.

11 de jun de 2011

Desculpas

Eu devia um pedido de desculpa muito especial.
E hoje, finalmente conseguir tirar um pouco
do peso que estavam nas minhas costas.
Mas ainda faltam muitos.